Skip to the main content.
Moedas Do BRICS: Traçando Um Novo Rumo Nas Finanças Globais

8 minutos de leitura

Moedas Do BRICS: Traçando Um Novo Rumo Nas Finanças Globais

Você já se perguntou sobre o poder financeiro por trás das moedas do BRICS? Imagine cinco gigantes imponentes, cada um representando Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Seu poder não está apenas em seu tamanho, mas também está no fundo de suas carteiras.

A sua influência colectiva pode proporcionar um bom desempenho a qualquer potência económica estabelecida. E se você está se perguntando: “E daí?”, deixe-me dizer uma coisa: entender as moedas do BRICS é como segurar uma bola de cristal para o futuro das finanças globais.

Iremos aprofundar-nos nos batimentos cardíacos destas economias: potenciais planos monetários padrão entre as nações do BRICS e até mesmo uma perspectiva intrigante de alternativas apoiadas pelo ouro ou por matérias-primas que poderão abalar os sistemas monetários existentes.

Uma dica? Em breve você verá os Emirados Árabes Unidos se juntarem à festa! Mas espere... Aguente firme; há muito mais por vir!

 

Salvador, Bahia, Brasil

Salvador, Bahia, Brasil

AS NAÇÕES BRICS: UMA NOVA POTÊNCIA NAS FINANÇAS GLOBAIS

Quando você ouve a sigla BRICS, quais nações vêm à sua mente? Se a sua resposta estiver correta, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Estas potências dominam uma área combinada de 39 milhões de quilómetros quadrados. Isso representa impressionantes 26,7% da massa terrestre da Terra.

Agora vamos falar sobre população. Os países BRICS albergam mais de 3 mil milhões de pessoas – cerca de 41% de toda a população mundial. Números impressionantes, de fato.

 

COMPREENDENDO O PODER ECONÔMICO DOS BRICS

Uma análise mais aprofundada destes números revela ainda mais surpresas sobre a sua capacidade económica. Juntos, representam 28 biliões de dólares (sim, com um 'T') ou cerca de um quarto (26,6%) do produto mundial bruto.

Para além do tamanho e da população, vemos também um poder de compra notável – no valor de cerca de 56 biliões de dólares, de acordo com cálculos de paridade de poder de compra – representando quase um terço (32%) da capacidade de compra global.

 

O PAPEL DAS MOEDAS NACIONAIS NESTA IMAGEM

Vimos os PIBs, mas e as moedas? Cada país tem a sua própria moeda – o Real no Brasil, o Rublo na Rússia, a Rupia na Índia, o Renminbi/Yuan na China e o Rand na África do Sul. Mas como isso funciona quando se trata de comércio internacional?

Veja, as nações do BRICS não estão apenas olhando para dentro. Eles também estão interessados em reforçar os seus laços económicos com outros países. Isto inclui o desenvolvimento de um sistema de pagamentos independente da influência ocidental e a discussão das moedas comuns dos BRICS.

 

Palácio da Cidade. Udaipur, Índia

Palácio da Cidade. Udaipur, Índia

A ASCENSÃO DOS BRICS: EXPANSÃO E POTENCIAIS NOVOS MEMBROS

Ao contemplarmos o cenário monetário mundial em constante mudança, um padrão observável é a extensão dos países BRICS com o seu desenvolvimento vigoroso e colaboração ampliada. Estes países agitaram a economia internacional com o seu crescimento robusto e maior cooperação.

Mas agora há mais para discutir: A ascensão dos BRICS. Isto refere-se a potenciais novos membros que poderiam aderir a este bloco influente - acrescentando ainda mais força ao seu poder económico.

 

POTENCIAL INCLUSÃO DA ARÁBIA SAUDITA NO BRICS+

Um ator-chave que poderia potencialmente fazer parte do “+” no “BRICS+” é a Arábia Saudita. Sendo um dos principais produtores de petróleo do mundo, com fortes laços tanto com o Oriente como com o Ocidente, influencia significativamente a dinâmica do comércio global. Incluí-los no grupo provavelmente aumentaria os volumes de comércio entre os Estados-membros, ao mesmo tempo que fortaleceria o posicionamento geopolítico geral.

A sua inclusão não é isenta de obstáculos; a diversificação económica longe da dependência do petróleo continua a ser crucial para a estabilidade a longo prazo – algo que todos os atuais membros do BRICS estão a perseguir ativamente.

 

ASCENSÃO DOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS AOS BRICS

Em contraste está outro concorrente – o país que eu chamava de lar antes de me mudar para o Panamá, Emirados Árabes Unidos (EAU). Graças à sua localização estratégica, é conhecido pelas suas reservas de petróleo e como um centro que liga a Europa, a Ásia e a África.

Além disso, os EAU têm feito progressos no sentido de desenvolver uma economia diversificada alimentada por sectores como finanças, turismo e tecnologia, juntamente com recursos energéticos tradicionais, tornando-os uma adição atraente a qualquer coligação de mercados emergentes como esta.

Não podemos ignorar o quão atraente é o seu ambiente favorável aos negócios, que atrai investimento estrangeiro, ajudando a estimular um maior crescimento interno e, ao mesmo tempo, reforçando as ligações internacionais.

Estas são apenas duas adições potenciais que poderão acrescentar ainda mais poder económico e alavancagem geopolítica ao grupo BRICS+. Outros concorrentes incluem países como a Argentina, a Indonésia e a Turquia, cada um com os seus pontos fortes únicos que podem trazer para a mesa – desde vastos recursos naturais até mercados de consumo robustos, todos contribuindo para um sistema financeiro global mais diversificado.

Isto poderia ser uma mudança de jogo no mundo da política monetária internacional. Poderá estimular mais trabalho em equipa entre as economias em desenvolvimento e dar às normas centradas no Ocidente uma corrida pelo seu dinheiro.



Principal vantagem: 

Cada adição potencial traz pontos fortes únicos, desde economias diversificadas até alavancagem geopolítica. Não se trata apenas de remodelar a política monetária internacional; é uma nova abordagem sobre a dinâmica do poder financeiro global.



São Petersburgo, Rússia

São Petersburgo, Rússia

A PERSPECTIVA DE UMA MOEDA COMUM ENTRE AS NAÇÕES BRICS

Durante anos, a perspectiva de uma moeda comum entre as nações BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) tem sido discutida. Uma tal mudança económica iria, sem dúvida, abalar a dinâmica financeira global.

Uma moeda partilhada poderia reduzir os desequilíbrios comerciais entre estes países, aumentando ao mesmo tempo a sua influência combinada nas questões monetárias internacionais. Mas não é tão simples como decidir usar um dinheiro para todos.

 

O PAPEL DOS BANCOS CENTRAIS NUMA MOEDA COMUM DO BRICS

Os bancos centrais desempenham papéis cruciais na gestão das moedas nacionais. Eles regulam a oferta monetária para manter a estabilidade e estimular o crescimento quando necessário. Então, o que acontece quando falamos em criar uma moeda comum dos BRICS?

Neste cenário, o banco central de cada país precisaria de trabalhar em estreita colaboração com os outros – formando uma espécie de “banco central comum”. Esta entidade geriria a moeda de reserva unificada proposta dentro dos parâmetros acordados pelos Estados-membros.

Este novo órgão poderia inspirar-se na união fiscal da Europa, onde nações independentes partilham uma moeda única – o euro gerido pelo Banco Central Europeu (BCE). No entanto, estabelecer algo semelhante entre diversas economias como as do bloco BRIC não é certamente uma tarefa fácil.

 

LAÇOS ECONOMICOS E CONVERGÊNCIA MONETÁRIA

Para tornar viável qualquer forma de moeda com curso legal partilhado, é necessária uma convergência macroeconómica significativa entre os países participantes, de acordo com as orientações da Comissão Europeia sobre a adesão ao euro. Isto significa essencialmente que as economias devem estar um pouco sincronizadas para que uma moeda partilhada funcione eficazmente.

Conectar esses laços não é tarefa fácil. Exige uma coordenação política cuidadosa em torno de aspectos-chave como a inflação e a dívida pública. Mas com os seus diversos cenários fiscais, esta torna-se uma tarefa bastante difícil para os bancos centrais dos países BRICS.



Principal vantagem: 

A criação de uma moeda comum para os países BRICS poderia remodelar significativamente as finanças globais, mas não é uma tarefa simples. Os bancos centrais de cada país devem formar uma entidade unificada para gerir eficazmente esta oferta monetária partilhada. No entanto, a diversidade económica destes países torna difícil alcançar a convergência macroeconómica necessária.



Guiyang, China

Guiyang, China

O POTENCIAL PARA UMA MOEDA BASEADA EM OURO NOS BRICS

Imagine um mundo onde as nações BRICS não sejam apenas economias emergentes, mas também transformadoras do jogo financeiro global. Poderiam potencialmente abalar o sistema monetário internacional através da introdução de uma moeda apoiada pelo ouro.

Uma moeda lastreada em ouro entre essas nações não é um conceito implausível. Afinal de contas, os bancos centrais de todo o mundo ainda detêm quantidades significativas deste metal precioso nas suas reservas cambiais oficiais. A ideia de os países BRICS tomarem tal medida pode ser surpreendente ou mesmo ridícula para algumas pessoas. Mas vamos nos aprofundar no porquê dessa ideia ser prática e vantajosa.

 

IMPACTO NAS TAXAS DE CÂMBIO E RESERVAS DE Câmbio

A fixação das moedas ao ouro resultaria em taxas de câmbio mais consistentes, uma vez que os movimentos dos preços do ouro são geralmente menos extremos do que os da moeda fiduciária, como o dólar americano ou o euro.

Este tipo de estabilidade pode tornar o comércio entre países mais suave e menos arriscado – um benefício nada pequeno, considerando que estes cinco países representam mais de 40% da população mundial. Além disso, reduziria significativamente a dependência de transações baseadas em dólares, que dominam atualmente os mercados cambiais globais.

Avançar para a utilização de um ativo como o ouro, em vez de depender apenas das moedas nacionais, também tem as suas próprias vantagens, especialmente tendo em conta a forma como a união fiscal se revelou difícil para estas diversas economias até agora. Pode parecer estranho agora - talvez semelhante a decidir de repente que você prefere andar de bicicleta para trás em vez de para frente - mas depois que você se acostuma (e percebe que está obtendo visualizações muito melhores), começa a fazer sentido.

Na verdade, tem havido discussões recentes sobre isto entre os líderes do BRICS. O Presidente russo, Vladimir Putin, notou o processo irreversível de desdolarização e sugeriu explorar alternativas para fortalecer os laços económicos dentro do bloco.

Os benefícios vão além da simples estabilização das taxas de câmbio. As reservas de ouro podem funcionar como um amortecedor contra desequilíbrios comerciais, ajudar na convergência macroeconómica – outro tema sobre o qual as nações BRICS têm estado interessadas em fazer progressos.

É como montar seu próprio time em uma liga internacional de futebol – difícil, sim, mas também pode ser incrivelmente gratificante.

 

Principal vantagem: 

Imaginem as nações do BRICS a abanar o cenário financeiro global com uma moeda apoiada pelo ouro. Isto poderá ajudar a estabilizar as taxas de câmbio e reduzir a nossa dependência das transações em dólares americanos. À primeira vista, este conceito pode parecer estranho, mas consideremos os seus benefícios - poderia trazer mais estabilidade às relações comerciais e funcionar como uma rede de segurança contra desequilíbrios comerciais. Portanto, em vez de descartá-la completamente, vamos parar um momento para contemplar o potencial de tal iniciativa.



África do Sul, Cidade do Cabo

África do Sul, Cidade do Cabo

A IDEIA DE UMA MOEDA APOIADA POR COMODIDADES ENTRE AS NAÇÕES DO BRICS

Imagine se as nações poderosas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) decidissem dar um passo ousado em direção à soberania monetária. Não se trata apenas de emitir moedas nacionais como o Real ou o Rublo, mas de lançar uma forma inteiramente nova de moeda lastreada em commodities.

 

UM NOVO PARADIGMA MONETÁRIO

Uma moeda de reserva alternativa pode parecer estranha. Mas lembre-se que o nosso actual sistema financeiro global já foi apenas uma ideia na Conferência de Bretton Woods em 1944. Uma moeda comum apoiada por mercadorias entre as nações do BRICS poderia, de forma semelhante, abalar os laços económicos e os desequilíbrios comerciais existentes.

Isto não é pouca coisa, pois seria necessário mais do que convergência macroeconómica ou união fiscal; trata-se de criar uma visão compartilhada para seu futuro. Basta pensar em como esta mudança poderia perturbar os mercados de dívida em dólares a nível mundial.

 

POSSÍVEIS MERCADORIAS ENVOLVIDAS

Num tal cenário, os recursos abundantes de cada país tornam-se a sua força. Por exemplo, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, pode ver valor em apoiar parte desta proposta de moeda comum com produtos agrícolas como a soja, enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, pode defender a utilização de reservas de gás natural.

O governador do Banco Central da África do Sul, Lesetja Kganyago, poderia propor o aproveitamento das vastas minas de ouro do seu país como parte do mecanismo de apoio – semelhante ao que discutimos anteriormente sobre o potencial para uma moeda apoiada pelo ouro dentro dos BRICS. ?" ele provavelmente diria com um sorriso malicioso.

 

O IMPACTO NOS MERCADOS FOREX GLOBAIS

A ideia de uma moeda BRICS apoiada por matérias-primas poderia causar repercussões significativas nos mercados cambiais globais. Poderá também apresentar novas opções de pagamento aos seus principais parceiros comerciais, incluindo os Emirados Árabes Unidos e os países em desenvolvimento, procurando diversificar-se para além do comércio centrado no dólar.

Além disso, como salientou o Ministro dos Negócios Estrangeiros brasileiro numa das reuniões de cimeira dos BRICS, tal iniciativa pode ser vista como parte de um processo irreversível no sentido de uma maior autonomia financeira internacional e de uma menor dependência de poderes tradicionais como o Fundo Monetário Internacional ou a Reserva Federal.

 

Carélia, Rússia

Carélia, Rússia

CONCLUSÃO

O poder das moedas dos BRICS está inegavelmente a transformar o cenário financeiro global. Com a sua força económica combinada, estas nações estão a abalar velhas normas e a abrir novos caminhos.

Você descobriu como uma moeda comum potencial poderia unificar ainda mais as economias do BRICS, simplificando os processos comerciais e ao mesmo tempo dando mais influência contra os sistemas monetários tradicionais. As opções lastreadas em ouro ou em commodities também se destacam – oferecendo estabilidade em tempos voláteis.

Novas crianças no bairro, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, também podem aderir a este clube exclusivo. Isto significa uma maior influência dos BRICS nas finanças globais e na dinâmica comercial.

Mantenha os olhos bem abertos porque, com as ambições em evolução dos BRICS, estamos todos prontos para testemunhar a história em construção!

 

Relatório de Proteção Offshore


TRABALHE COMIGO

Ajudo meus clientes a se mudarem para o exterior em busca de liberdade, privacidade e autonomia, focando nas questões de imigração, legalidade e impostos que você enfrentará ao se tornar um expatriado. Se você deseja trabalhar individualmente comigo para sair do seu país de origem (ou estabelecer um local de Plano B), então leia esta importante carta e preencha um formulário de inscrição para se tornar um Cliente Privado. Meus honorários não são baratos; no entanto, posso garantir que, quando você trabalha com uma empresa profissional como a nossa, os resultados valerão a pena.

 

MELHORES DO MUNDO EXPATRIADO

Se você deseja obter as melhores informações do mundo expatriado, incluindo oportunidades lucrativas no exterior, estratégias pouco conhecidas para economizar impostos e insights valiosos sobre imigração, passaportes e residências de Plano B, tudo entregue em sua caixa de entrada todas as semanas, então junte-se à nossa correspondência diária, EMS Pulse. Atualmente apreciada por mais de 37.000 expatriados e futuros expatriados em todo o mundo. Preencha o formulário abaixo para se inscrever em nosso boletim informativo gratuito:

 

Mikkel Thorup

Written by Mikkel Thorup

Mikkel Thorup é o consultor expatriado mais procurado do mundo. Ele concentra-se em ajudar clientes privados de alta rede a mitigar legalmente as obrigações fiscais, obter uma segunda residência e cidadania, e reunir uma carteira de investimentos estrangeiros, incluindo bens imobiliários internacionais, plantações de madeira, terrenos agrícolas e outros ativos corpóreos de dinheiro vivo. Mikkel é o Fundador e CEO da Expat Money®, uma empresa privada de consultoria iniciada em 2017. Ele acolhe o popular podcast semanal, o Expat Money Show, e escreveu o #1 Best Seller Expat Secrets - How To Pay Zero Taxes, Live Overseas And Make Giant Piles Of Money.

Recent Posts

E-Apostila: A Maneira Mais Fácil De Legalizar Seus Documentos

E-Apostila: A Maneira Mais Fácil De Legalizar Seus Documentos

Lidar com a burocracia, embora muitas vezes estressante, é um aspecto inevitável ao interagir com a administração pública. Seja obtendo documentos,...

Continue Reading
Oportunidades De Ouro: Usando IRAs Autodirigidas Para Comprar Metais Preciosos

Oportunidades De Ouro: Usando IRAs Autodirigidas Para Comprar Metais Preciosos

Durante a pandemia de Covid-19, o Reino Unido enfrentou uma significativa agitação financeira, destacando uma lição crucial para o planejamento...

Continue Reading
Como Você Pode Solicitar Residência Em El Salvador

Como Você Pode Solicitar Residência Em El Salvador

El Salvador possui um clima tropical e é rico em beleza natural e uma grande variedade de fauna. Suas belas praias com ondas incríveis e parques...

Continue Reading